domingo, 31 de maio de 2015

eu vou tirar você desse lugar

A belíssima Melina Mercouri (1920-1994) vive uma prostituta no filme do então marido Jules Dassin (1911-2008), o ótimo Nunca aos domingos (Never on Sunday), coprodução dos Estados Unidos e Grécia, de 1960.

Sua personagem não chega a ser como a ingênua Cabiria, do clássico das noites de Federico Fellini, mas Ilya é uma prostituta de bom coração, diferente das colegas de vida difícil no porto de uma cidadezinha perto de Atenas.

O conflito do filme se dá no momento em que um desses turistas americanos, metido a filósofo e salvador do mundo, chega à Grécia para entender a decadência da grande civilização que foi. O forasteiro, interpretado pelo próprio diretor do filme, vê na prostituta um símbolo da transformação que o país milenar precisa urgentemente. E o moço se empenha em tirar Ilya daquele pedaço, cheio de garotas indecentes e cafetões asquerosos. 

A analogia interessante que se pode fazer entre o filme e a realidade, é que a atriz abandonou o cinema em 1978, e entrou com tudo na vida política do seu país, Mesmo exilada na França, lutou contra ditadura, empenhando-se com o seu prestigio, em reerguer a civilização ameaçada. Com a redemocratização ainda frágil, Melina voltou à Grécia e vinculou-se ao Parlamento progressista, tornando-se a primeira Ministra da Cultura, cargo que exerceu por dois mandatos na década de 90.

A atriz tinha 75 anos quando faleceu em Nova Iorque. Mais uma vez retornou ao seu porto grego, para ser enterrada com merecidas honras de chefe de Estado.

Nenhum comentário: