domingo, 11 de dezembro de 2016

transversal do tempo

Henri Cartier-Bresson, Hyères, França, 1932
Fotografar é só o começo. O congelamento do clique é o início do da memória.
A fotografia tem esse poder de eternidade: ela atravessa a rua e o tempo.


Nenhum comentário: