sábado, 17 de dezembro de 2016

cinema em transe

foto Danilo Verpa
Em Bang bang, de Andrea Tonacci, 1970, um cineasta durante a realização de um filme enfrenta diversas e bizarras situações. A realidade dentro de uma ficção e a ficção em conflito com a realidade.
Essa é a síntese do cinema de Tonacci, desde seu primeiro curta-metragem, Olho por olho, de 1966, seguido do média Blá-blá-blá, até o belíssimo Já visto jamais visto, 2014, seu último e sintomático trabalho no qual o cineasta revisita suas memórias com registros inéditos de imagens de família, viagens, projetos inacabados...
Italiano radicado no Brasil, o cineasta é o mais importante nome do que se denominou Cinema Marginal Brasileiro, movimento que se desenvolveu nos anos 70, que seguia uma linha em contraponto ao Cinema Novo pulsante da década de 60, mas que apontava em comum aspectos, fragmentos e passagens relevantes, como um cinema feito com baixo orçamento, a estrutura autoral e personagens exasperados à beira do extremo. Um cinema que se juntava às vertentes pensantes e entrava em transe na terra do sol contra a mesmice.
Aos 72 anos, Andrea Tonacci faleceu ontem depois de uma luta contra um câncer.
2016, o ano que vivemos em perigo, parece não acabar de tanta noticia ruim. Um ano visto jamais visto.

Nenhum comentário: