domingo, 18 de dezembro de 2016

arte e poder

"Os interesses do Estado e das artes raramente coincidem"
Francofonia, de Alexander Sukorov, 2015, é um exemplar de considerações sobre arte e poder em uma fluente narrativa de documentário e ficção.
Os temas que se entrelaçam nas relações humanas e artísticas, da política e da história, da bestialidade das guerras e da eternidade da arte, têm o Museu de Louvre como guarda e detentor simbólico da civilização.
Uma oportuna reflexão para hoje quando se comemora o Dia do Museólogo.
Acima, os atores Louis-Do de Lencquesaing e Benjamin Utzerath, respectivamente o diretor do Louvre Jacques Jaujard, e Conde Wolf-Metternich, general da ocupação nazista em Paris.

Nenhum comentário: