domingo, 22 de janeiro de 2017

cinema do eu de todos

 
"Um rio profundo com uma superfície plácida, dissimulando nas suas profundezas as correntes furiosas".
O cineasta Akira Kurosawa assim definiu o cinema de sua colega Naomi Kawase.
Passado e futuro, dentro e fora, céu e terra, vida e morte.
Assim também somos.
Acima, cena do documentário Ni Tsutsumarete, 1992

Nenhum comentário: