segunda-feira, 2 de maio de 2016

o teatro de Boal

O diretor, dramaturgo e ensaísta Augusto Boal dizia que não lhe incomodava perder "quando existe um debate ideológico e social, mas ser derrotado por um Estado armado, com canhões e tanques de guerra, dá uma tristeza enorme.”.
Ele, que se foi há sete anos hoje, com certeza atualizaria o aplicativo de seu pensamento diante o que está acontecendo no Brasil em tempos que se anunciam temerosos.
Expoente da vanguarda artística nos anos 50 e 60, Boal foi responsável pela concepção do teatro do oprimido, que buscava aliar à prática artística uma ação social e política, calcada na educação, na cidadania, nos princípios pedagógicos. Não foi por favores que o jornal inglês The Guardian o considerou o "reinventor" do teatro político. Seu nome foi lembrado para o Nobel da Paz, em 2008.
Uma pena homens grandiosos como Boal partirem, enquanto uma canalhada continua dando o ar de sua desgraça neste país..

Nenhum comentário: