sábado, 9 de abril de 2016

escreve em meu corpo

A jovem Nagiko procura incessantemente um amante ideal, alguém que satisfaça um desejo de cumplicidade entre o corpo e a escrita.
Esse curioso enredo é de autoria de Sei Shōnagon, uma dama que viveu na corte japonesa no distante século X.
Trazido do universo medieval e adaptado para a idade mídia do século XX pelo cineasta britânico Peter Greenaway, Livro de cabeceira (The pillow book), 1996, é um belo filme sobre a analogia do poder sensual da escrita com o encantamento e elevação sexual.

Nenhum comentário: