segunda-feira, 13 de julho de 2015

Keith rock

Em 13 de julho de 1985, Bob Geldof, ex-vocalista da banda Boomtown Rats, organizou o show "Live Aid", que ocorria simultaneamente em Londres e Filadélfia, reunindo vários nomes famosos não somente do rock, como Led Zeppelin, The Who, Rolling Stones, Black Sabbath, também do blues, como B. B. King, e figuras emblemáticas da contestação política nos anos 60, como Joan Baez.

O objetivo era chamar a atenção para a miséria no continente africano, a partir da Etiópia. Muita música, discursos engajados, pressão em cima dos governos ricos para perdoar dívida externa dos países pobres. Se a intenção deu resultados práticos ao longo desses anos, é discutível. Pelo menos, por ocasião do show, e uma segunda edição em 2005, angariou fundos para a causa.

Desde então comemora-se neste cabalístico 13, o Dia Mundial do Rock. Gosto da postura de Geldof, diz o que pensa e bate de frente com poderosos. Mas minha homenagem hoje vai para meu roqueiro preferido, Keith Richards: o comportamento, a entrega, o conceito, os riffs, o junkie, a alma e essência do rock and roll. E do Rolling Stones. Mick Jagger é apenas o corpo.

Nenhum comentário: