terça-feira, 28 de agosto de 2007

é tudo cinema

filmagem do documentário "Dim", em Pindoretama, Ceará. Foto Rubens Venancio

"...sabemos que documentários podem ser tão complexos quanto filmes de ficção, mas essas complexidades quase nunca afloram quando estamos lidando com críticos ou diretores de ficção. A questão que prevalece nunca é o filme em si – isto é, a gramática do filme, a forma como diz o que pretende dizer – mas o tema: ‘Sobre o quê é o seu filme?’ ou, pior, ‘Qual é a mensagem do seu filme?’ Ora, nós não somos os Correios. Se fazemos documentários, é porque acreditamos em cinema, não em telegramas."

Trecho de um texto do cineasta João Moreira Salles, que participou recentemente do Seminário Flaherty, em Nova York, tradicional encontro internacional de documentaristas.

Eu, que sou um convicto diretor de ficção, e acabei de dirigir o meu primeiro documentário, estou passando pelo mesmo tipo de "interrogatório".

O texto na íntegra está no blog do crítico Carlos Alberto Matos, aqui.

2 comentários:

Marcus Vilar disse...

Que bom que esteja filmando. Bom, em outra oportunidade voce assiste o meu documentário. Boa sorte nas gravações.

um abraço do amigo

Marcus Vilar

Ricardo Kelmer disse...

Falaí, Nirton! Sobre o Raimundo Soldado, infelizmente não poderei ajudar. Acho melhor tentar junto à gravadora dele. Li o livro do Paulo César, gostei muito. Será uma honra participar do teu documentário. Ah, e parabéns pelo Dim! abração