sábado, 4 de março de 2017

Genialf *

O cantor, compositor e pianista Johnny Alf é considerado por muitos o verdadeiro pai da Bossa Nova. Quando o gênero musical despertou ouvidos no exterior, mais especificamente nos Estados Unidos, o artista carioca teve reverências merecidas e referências à altura de sua genialidade - nem tanto desproporcional em sua terra.

A sua clássica composição Eu e a brisa, brilhantemente interpretada pela cantora Márcia no III Festival de Música Brasileira, da TV Record, em 1967, foi desclassificada, e ficou na história como a maior injustiça de todos os festivais - sem desconsiderar a qualidade da vencedora, Ponteio letra de Capinam, musicada por Edu Lobo, apresentada pelo autor e Marília Medalha.

Desde cedo o cantou esteve de olho no mercado lá de fora, americanizou seu nome de batismo, Alfredo José da Silva, gravou a canção na brisa de seu primeiro disco, também em 67, e o reconhecimento se fez.

Em 2008 Alf esteve no Auditório do SESC Vila Mariana, em São Paulo, visitando a mostra 50 Anos de Bossa Nova. Estava doente, tratando-se de um câncer de próstata. Mesmo assim, no ano seguinte, sem parentes, deslocou-se da casa de repouso onde vivia, em Santo André, e participou do show de Alaíde Costa no Teatro SESI, na capital paulista. Foi sua última aparição em público.

Faleceu em 2010, numa tarde de 4 de março, em um hospital. Tinha 80 anos de eterna bossa.

*assim Tom Jobim se referia a Johnny


Nenhum comentário: