quinta-feira, 1 de junho de 2017

uma cidade sozinha não comporta a procura da vida*

“Eu falo, falo, mas quem me ouve retém somente as palavras que deseja (…) quem comanda a narração não é a voz; é o ouvido“.
- Italo Calvino em As cidades invisíveis, 1972, através de Marco Polo, o jovem veneziano viajante.
No romance o personagem relata ao Imperador mongol Kublain Khan suas impressões sobre as mais de cinquenta cidades que visitou.
A metanarrativa de Calvino constitui-se em um conjunto de metáforas que traduzem bem relação das pessoas com os lugares, o que esse encontro do desenho urbano com a geografia afetiva reflete nas condições e inquietações humanas, como memória, crenças, esperança, velhice, morte.
* verso do poema Além do cansaço, de Antonio José Soares Brandão, musicado por Petrúcio Maia, gravado por Fagner no disco de 1976.

Nenhum comentário: