quinta-feira, 22 de junho de 2017

o grande momento

Em 1965 o cineasta francês Claude Lelouch não estava numa boa com a fraca repercussão de seu quinto filme, ironicamente intitulado Les grands moments. Assim como os anteriores, o trabalho não teve público satisfatório, os distribuidores não apostavam naquele jovem de vinte e poucos anos de sonhos e de filmes irregulares.

Logo após uma projeção onde tudo deu errado, Lelouch pegou o carro e saiu a esmo noite a dentro. Rodou cego pela madrugada e se viu parado à margem da praia em Deauville, uma comuna francesa na Baixa-Normandia. Cochilou e acordou com o sol e sons de alguns pássaros. Através do retângulo do painel do automóvel, como uma tela de cinema, viu uma mulher andando na maré baixa, acompanhada de um menino e um cachorro. A imagem matinal lhe pareceu cena de filme. O cineasta saiu do carro e tentou se aproximar da mulher. Enquanto caminhava, perguntava-se e deduzia o que ela fazia ali tão cedo. Não conseguiu alcançar os três, mas não se importou: voltou para o carro com a ideia do roteiro de Um homem e uma mulher (Un homme et une femme).

Estrelado por Jean-Louis Trintignant e Anouk Aimèe, lançado em 1966, é o seu filme mais conhecido e emblemático na filmografia que se seguiu por mais quarenta títulos, até o mais recente, a comédia dramática Salaud, on t'aime, de 2014, com o cantor Johnny Hallyday no elenco.

Um homem e uma mulher, Palma de Ouro em Cannes e Oscar de Melhor Filme Estrangeiro, conta o encontro, romance e desencontro de dois jovens viúvos. A narrativa em câmera solta, a trajetória de vidas paralelas de personagens que se cruzam e se perdem, a trilha sonora organicamente inserida nas ações, e, sobretudo, uma louvação ao amor, marcaram e definiram o estilo de cinema de Lelouch, reverenciado por muitos, e detratado por outros muitos, que consideram seus filmes melosos.

Retratos da Vida (Les uns et les autres), 1981, é considerado sua obra-prima, onde o fôlego narrativo de três horas intercala vidas distintas de três gerações de famílias na França, Rússia, Alemanha e Estados Unidos, ligadas pela música e afetadas pela Segunda Guerra.


O clássico de 1966 teve uma continuação com Um homem e uma mulher: 20 anos depois (Un homme et une femme, 20 ans déjà), com os mesmos atores/personagens, uma espécie de reencontro ao final da tarde, à margem da praia em Deauville.

Nenhum comentário: