segunda-feira, 8 de agosto de 2016

nature boy

“There was a boy / a very strange enchanted boy… / a little shy and sad of eye…”

Trechos da belíssima canção Nature boy, composta em 1948 por Eden Ahbez, músico que nos anos 60 influenciou o movimento hippie com suas canções, angústias, rebeldia e esperança.

Já nos anos 40, Ahbez viajava de bicicleta pelas estradas da Califórnia... barbas longas, cabelos nos ombros, sandálias, dormia ao ar livre com a família, vegetariano, alimentava-se de legumes, frutas e nozes... vivia numa boa com três dólares por semana.

Admirador de Nat King Cole, uma noite Eden Ahbez foi ao Lincoln Theatre onde o cantor de voz aveludada se apresentava e tentou lhe entregar uma canção feita inspirada no amigo William Pester, o cara que na verdade já trazia os traços da filosofia paz & amor, um alemão naturalizado americano, conhecido como “eremita de Palm Spring”. Seu pensamento libertário hoje pode ser definido como uma ligação dos reformadores germânicos do século 19 com a garotada hippie contestadora dos anos 60.

Eden Ahbez compôs Nature boy e desejava Nat King Cole para interpretá-la, que naquela noite lhe ignorou. O autor deixou a canção com o manobrista do teatro, que repassou depois ao destinatário, e ao ouvi-la de imediato decidiu gravá-la no próximo disco.

A música é um divisou na carreira de Nat King Cole, tornando-se praticamente uma marca registrada em seu vasto repertório. Dezenas de versões foram gravadas nessas décadas, de Frank Sinatra e Sarah Vaughan, passando por Miles Davis, Ella Fitzgerald, Stan Getz, Cher, Massive Attack, David Bowie, até chegar Lady Gaga em seu mais recente, ótimo e surpreendente disco, “Cheek to cheek”, em dueto com Tony Bennet. Em 1979 Ney Matogrosso gravou a versão feita por Caetano Veloso, "Encantado", no disco "Seu tipo."

Mesmo com a boa repercussão financeira do sucesso de Nature boy e consequentemente outras composições nas vozes de famosos, Eden Ahbez manteve-se um rapaz da natureza em sua simplicidade e filosofia oriental, tocando com sua banda instrumental. Gravou um único disco, “Eden's Island”, em 1960, uma espécie de música exótica com poesia beatnik, algo como hoje se rotula "world music". Fiel ao seu estilo o dedo em V e cabelo ao vento, Ahbez promoveu o álbum através de um passeio a pé de costa a costa fazendo aparições pessoais.

O músico teve momentos marcantes de tristeza: as mortes da esposa em 1963, por leucemia, e de seu filho, afogado aos 22 anos, em 71. Ele mesmo teve um fim trágico aos 86, em 1995, ironicamente de acidente de carro, assim como James Dean, admirador confesso de Nature boy, que considerava a canção uma perfeita tradução da sua vida. Dean, Ahbez, Pester, são desses seres que viveram no tempo e à frente dos tempos.

Místico, Eden Ahbez dizia que seu nome e sobrenome traziam uma bênção, um destino: tem Paraíso no princípio, e ao concluir, inicia com A (alfa), termina com Z (ômega) > o começo e o fim.

Nenhum comentário: