segunda-feira, 29 de agosto de 2016

coração de cinema

Sensorial, onírico, impressionista.

Laurie Anderson vê cinema quando fecha os olhos e abre o coração. Música que se mescla à alma em uma só imagem. A vida como lado externo da morte. A morte como o lado de dentro da vida. Os cães como devem ser os homens. Os homens como podem ser os cães. A saudade como um encontro.


"O que vês quando fechas os olhos?"

O que vês quando apagam as luzes na sala? A alma humana na psicografia da tela do cinema.

Nenhum comentário: