domingo, 21 de agosto de 2016

fogo medieval

O romance distópico de ficção científica de Ray Bradbury, Fahrenheit 451, publicado em 1953, e levado ao cinema por François Truffaut em 1966, trata de uma América hedonista e anti-intelectual que perdeu totalmente o controle, e todos os livros são queimados e o pensamento crítico suprimido.

O escritor, que hoje faria 96 anos, escreveu o romance no porão de uma biblioteca, em uma máquina alugada. Era o começo da Guerra Fria, e isso lhe inspirou para criticar uma sociedade americana disfuncional e assustadora em seus conceitos intelectuais.

Bradbury declarou em entrevista que a imagem da queima de livros significava a supressão de ideias, e de como a televisão, à época ainda uma curiosa novidade, destruía o interesse pela leitura.

Que diria ele hoje!

Nenhum comentário: