quarta-feira, 28 de julho de 2010

o passado condena

 
O documentário com o assustador título acima, de Sérgio Muniz, é uma reflexão sobre a atuação do Esquadrão da Morte e do famigerado delegado Fleury, chefe do DOPS em São Paulo. Filmado clandestinamente em 1971, nunca foi exibido por representar risco para a equipe. Na época, os negativos foram transferidos para Cuba. 
 
Desde de 2006, seu realizador exibe sem muito alarde em universidades e mostras sobre direitos humanos. Com uma narrativa ainda atual, o documentário utiliza-se de diversos materiais em sua construção – recortes de jornais e revistas, imagens captadas diretamente da televisão, transcrição de depoimentos de pessoas torturadas e fragmentos das obras teatrais “A resistível ascensão de Arturo Ui”, de Bertold Brecht, no Teatro de Arena,  e “O Interrogatório”, de Peter Weiss, no Teatro São Pedro.

3 comentários:

romério rômulo disse...

nirton:
vejo que o filme tem uma pegada braba.
romério

Simone Sodré disse...

Claro que vou ver. Mesmo que ele um dia se copie, ainda assim será autêntico.

Paulo disse...

Aumentando a minha lista. Convivi com a ditadura, porém ainda muito jovem. Preciso compreender cada vez melhor aquele momento da história do Brasil. Obrigado pela dica.