sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

o "lobinho" Keith

O baixista Keith Richards, quem diria, foi escoteiro. E gostava. Em seus relatos de sexo, drogas e rolling stones, na autobiografia "Vida", ele diz que foi uma das melhores coisas que lhe aconteceu quando criança, no começo dos anos 50, e se tornou membro de uma tal Patrulha do Castor da Sétima Tropa de Escoteiros. Leu todos os livros de Robert Baden-Powell, o tenente-coronel do exército britânico fundador do escotismo, e para o músico era importante a disciplina para aprender as habilidades de sobrevivência. Keith tinha até uma barraca no quintal, onde passava horas comendo batata crua, como "dever de casa".

Certa noite, muitas pedras roladas depois, já definitivamente um "bad old man", estava sozinho num quarto de hotel em turnê dos Stones, e assistia pela televisão uma cerimônia sobre o 100º aniversário do Movimento Escoteiro. Automaticamente, atento e respeitoso, perfilou-se diante da tv, e com os três dedos na testa fez a saudação oficial dos escoteiros: "Líder da Patrulha do Castor, Sétima Tropa de Dardford, senhor!" 

Ele achava que deveria se apresentar.

2 comentários:

Silvio Gurjão disse...

nossas idiossincrasias...

Ricardo Augusto disse...

Ele não era lobinho! Era o proprio bad wolf! E nem precisava de pele de cordeiro!