terça-feira, 17 de maio de 2011

80 anos de Limite

 Filmagens de "Limite", 1930 

No dia 17 de maio de 1931 foi projetado pela primeira vez o primeiro e único filme de Mário Peixoto, "Limite", no Cinema Capitólio, em sessão organizada pelo Chaplin Club, um cineclube criado por cinéfilos no Rio Janeiro. O que seria apenas uma exibição de um filme esquisito dirigido por um cineasta de poucas palavras, ganhou notoriedade, provocou debates, estimulou estudos sobre a novata sétima arte, influenciou cineastas pelo mundo. É um marco no cinema brasileiro. Nunca teve uma distribuição comercial. Ao longo dos anos, foi exibido em mostras, aberturas de festivais, e há pouco tempo lançado em dvd.

Em 2008, o cineasta Martin Scorsese, um estusiasta da obra brasileira, promoveu através de sua ONG World Cinema Foundation, a restauração da película, com belíssima cópia em 35mm.

"Limite" é o que se chama de cinema puro. Está no mesmo nível de "O encouraçado Potemkin", de Ensenstein, e outros filmes seminais. Os enquadramentos, os movimentos de câmera, a fotografia preto-em-branco, a montagem,  os conflitos e a dissecação da alma dos personagens... O cinema comprometido com uma arte que nascia.

Para celebrar a marcante data de hoje, a Cinemateca Brasileira em São Paulo exibe a cópia restaurada em digital de alta definição. É muito compensador ver que um filme rodado em condições dificéis, em bruta película, atravessou o tempo e chegou à era digital. E continuará, sem limites.

2 comentários:

Deborah Dornellas disse...

que maravilha, Nirton!! Limite é um filme que se imprime na gente. Vi na Sala Villa-Lobos há anos, numa sessão especial. Gostaria de ver a cópia restaurada. Hoje não posso ir à Cinemateca Brasileira. Fica pra uma próxima!

Eliane Silvestre disse...

eu assisti na disciplina Cinema Brasileiro, na UNB, com o Prof. Marcos Mendes e com ele tb aprendi a valorizar o trabalho da Cinemateca Brasileira na pesquisa, recuperação, preservação e conservação de toda obra cinematográfica nacional.