quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Seu Luiz é pop

Hoje Luiz Gonzaga faria 100 anos. Livros, filme, shows, exposições, reverenciam o rei do baião desde o começo o ano. Os cadernos cês dos jornais tecem homenagens, chamando-o de “pop”. Pop de popular, ou seja lá o que isso signifique. Essas homenagens pra mim soam como uma galanteria tardia por alguns setores da mídia. Mas "antes arte do que tarde", como diz o artista plástico, cantor e escritor Bené Fonteles, autor do ótimo livro "O Rei e o Baião", a mais completa pesquisa sobre a vida e a obra de Gonzagão, analisadas a partir de várias abordagens, com centenas de fotografias inéditas e belas xilogravuras. O trabalho de quase 400 páginas foi lançado em 2010.

O velho Lua sempre foi um dos meus ídolos. Não cresci ouvindo João Gilberto, Chet Baker e Leonard Cohen, músicos que admiro e escuto sempre. Cresci ouvindo Gonzagão, Roberto Carlos, Reginaldo Rossi... e até mesmo antes dos Beatles, as versões enviesadas de Renato e Seus Blues Caps. Eu fui Jovem Guarda: Tropicália depois. Eu ouvia Cego Aderaldo: Robert Johnson, Muddy Waters, John Lee Hooker tiveram que esperar a safona terminar o ronco no meu sertão.

Luiz "Lua" Gonzaga sempre foi ídolo a altura de todos outros que hoje são cults. A primeira vez que assisti a um show do Gonzagão em Fortaleza, me emocionei tanto quanto ao ver e ouvir B. B. King pela primeira vez, aqui em Brasília, há dois anos. Entre o Rio São Francisco e o Rio Mississipi a distância é a mesma em que navega meu coração.

A benção, seu Luiz!

Nenhum comentário: