sábado, 12 de março de 2011

o traço de Lupin

 
O cartunista cearense João Alberto Noqueira Tavares, o Lupin, faz um trabalho interessantíssimo, como esse acima, feito numa página do livro de Patrícia Melo,  "A valsa negra".

O grande barato de suas criações, além da simplicidade e grandeza do traço, são as intervenções, as colagens, as parcerias ousadas. 

As (re)criações, partindo sempre de uma ideia original, criam uma nova ideia igualmente original. Autêntico, Lupin não poupa palavras em textos curtos, rápidos, diretos, e muitas vezes quebrando mitos, desconstruindo conceitos, indo até ao mimetismo profrano nas suas opiniões, podendo deixar alguns retilíneos conservadores incomodados.

Lupin precisa aparecer mais, em exposições, livros, jornais. É um grande artista que muitos gostarão de conhecê-lo neste terreiro brasileiro.

Um comentário:

lupin disse...

bm, engasguei. era pra sair bom,
claro que a ideia de quem cria é se "mostrar", se "exibir".
não sou diferente.
acontece que minha arte não tem(ainda) tantos observadores/apreciadores do quilate e da generosidade do nirton.
continuo (não intencionalmente), circulando nas hostes alternativas.
onde a audiência é menor, embora mais seletiva.
é possível a partir da internet (cheguei a pouco),conquistar um público maior.
...e com o olhar atento de apreciadores do meu trabalho, pode se vislumbrar no horizonte uma abertura maior para a minha arte.
vou aqui fazendo a minha parte que é CRIAR.
meu comentário terminou por ficar maior que a postagem.
mais ainda podia ser dito.
sóque não tem porque alongar mais.
o dito já foi dito.
ao nirton, minha gratidão.