segunda-feira, 21 de março de 2011

nos braços de Morfeu

 "Noon: Rest from work - after Millet", de Van Gogh

A alta velocidade do mundo contemporâneo tem aumentado a frequência dos problemas de sono através de mecanismos tanto psicológicos como biológicos. Um sono de má qualidade influencia sobremaneira a vida pessoal e profissional, e em muitos casos, aumenta o risco de acidentes e de uma série de problemas de saúde.

O ideal é se pudéssemos dormir oito horas, evitando até de beber água no começo da noite para não ter que acordar de madrugada para ir ao banheiro. Ando me reeducando para o sono: tenho o costume de dormir tarde, aproveitando o silêncio da noite para ler e escrever, e não porque queira e sim porque preciso, acordar cedo, muito cedo. São somente seis horas na cama - quando não faço samba-e-amor-até-mais-tarde-e-tenho-muito-sono-de-manhã... 

Hoje, 21 de março, é o Dia Mundial do Sono. Não tenho a menor ideia quem decretou a data. Mas, enquanto estamos acordados, pensemos mais na forte relação entre o sono e a saúde. Dormir não é para preguiçosos.

Um comentário:

Clara Angélica Porto disse...

estou na tchurma do 'sódurmo6horaspornoite' e acho que meu corpo já se acostumou com isso. anda e vira, me surpreendo dormindo mais, chegando a 8 ou 9 horas, de novo, acho que é o corpo se compensando. enfim... já me acostumei com meus olhos secos e nao reclamo. o bom é que tenho muita energia durante o dia, sempre disposta. o difícil é sair da cama, mas uma vez fora dela... fico ótima. acho que pessoas precisam de tempo diferente de sono. se durmo mais cedo, sempre acordo de madrugada e aí é fogo para dormir de novo...