segunda-feira, 22 de fevereiro de 2016

os nomes de Eco


O nome da rosa, O Pêndulo de Foucault, A ilha do dia anterior, Baudolino, A misteriosa chama da rainha Loana, O Cemitério de Praga, O número zero, Obra aberta, Diário mínimo, Apocalípticos e integrados, A definição da arte, A estrutura ausente, As formas do conteúdo, Mentiras que parecem verdades, O super-homem de massa, Lector in fábula, Viagem na irrealidade cotidiana, O conceito de texto Semiótica e filosofia da linguagem, 
Sobre o espelho e outros ensaios, Arte e beleza na estética medieval, Os limites da interpretação, O signo de três, Segundo diário mínimo, Interpretação e superinterpretação, Seis passeios pelos bosques da ficção, 
Como se faz uma tese, Kant e o ornitorrinco, Cinco escritos morais, 
Entre a mentira e a ironia, Em que creem os que não creem?, A busca da língua perfeita, Sobre a literatura, Quase a mesma coisa, História da beleza, 
La production des signes, Le signe, Storia della Brutezza, Dall'albero al labirinto, A vertigem das listas, Não contem com o fim do livro...

Nenhum comentário: