segunda-feira, 13 de abril de 2015

veias abertas da memória

"A memória guardará o que valer a pena. A memória sabe de mim mais que eu; e ela não perde o que merece ser salvo", dizia o escritor, ensaísta e historiador uruguaio Eduardo Galeano.

Nesta manhã chuvosa de segunda-feira em Fortaleza, leio a noticia de sua morte, às 9h, em Montevidéu. Minha admiração por ele é de ler e ouvi-lo com olhos e coração imantados. 

Galeano esteve em Brasília exatamente no dia 12 de abril do ano passado, na 2ª Bienal do Livro e da Leitura, quando abriu o evento e foi homenageado. Durante a palestra, no auditório lotado do Museu Nacional, disse que não leria nos dias atuais a sua maior obra, As Veias Abertas da América Latina, publicada em 1971. 
 
Achava a literatura de esquerda tradicional chatíssima, seu físico não aguentaria, teria que ir direto ao pronto-socorro. Lúcido e espirituoso, o escritor não renegou sua obra, importantíssima e pontualíssima para a reflexão do pensamento da esquerda latino-americana. Apenas atualizou essa reflexão. Esse clássico da literatura passou definitivamente no teste do tempo, é um livro imprescindível, para sempre. Da mesma forma, toda sua bibliografia de mais de 40 títulos.

Assim como a memória sabe dele mais que ele próprio, seu valor será guardado pela nossa memória.

Nenhum comentário: