terça-feira, 9 de agosto de 2005

veneno da madrugada



"Eu não gosto de 'Cidade de Deus'. Pra mim é um equívoco. Eu percebo uma história maravilhosa, percebo que a história é bem construída e não sei o quê, mas não consigo gostar daquela pirotecnia. É muito videoclipizado. Não há tempo pra nada. Não há tempo pra sedimentar. É tudo muito bonito, mas quando você vai ver já se passou adiante. É um videoclipe."






"Não gosto do 'Central do Brasil'. Acho um roteiro fabricado, um filme para exportação. Acho um filme maniqueísta. Acho os personagens mal resolvidos, mesmo a Dora, a Fernanda Montenegro. Não gosto mesmo. Não gosto nem da fotografia do Walter Carvalho."






"Trabalhei dois meses com o Mário Vargas Llosa, fazendo uma adaptação que depois ele me roubou: 'A guerra do fim do mundo'. Ficávamos num gabinete pequeno em Barcelona. Trabalhávamos todo dia das 9h ao meio-dia, parávamos para almoçar, voltávamos e ficávamos das 2h às 6h, isso durante dois meses."





Trechos da entrevista com o cineasta Ruy Guerra no site cinequanon.art.br
Vale a pena conferir o resto. O diretor fala sobre cinema novo, cinema da retomada, cinema pornô, roteiro, decupagem, adaptações literárias, e sobre o seu novo filme, "Veneno da madrugada", baseado em originais de Gabriel García Márques. Fala também dos filmes que gosta.
O site foi criado pelos jornalistas César Zamberlan e Cid Nader, e os publicitários Ériko Fuks e Fábio Yamaji.

Nenhum comentário: