quarta-feira, 2 de novembro de 2016

verdade inconveniente

Na manhã do dia 2 de novembro de 1975, em uma tranquila praia italiana, perto de um hidro-aeródromo na cidade de Óstia, uma senhora se chocou com o aparecimento do corpo, desfigurado, de um dos maiores cineastas e poetas que o mundo já viu: Pier Paolo Pasolini. Tão controversa quanto sua vida, sua morte tem até hoje mistérios difíceis de decifrar.
Com base em conversas com seus discípulos, tais como Bernardo Bertolucci e Alberto Moravia, o pouco conhecido documentário Quem fala a verdade deve morrer (Wie de waarheid zegt moet dood), de Philo Bregstein, produção holandesa de 1981, tenta descobrir a verdade por trás do terrível assassinato desse mito da sétima arte.
Em uma narrativa investigativa, o filme analisa as teorias em torno do crime. Segundo a versão oficial, o cineasta, comunista declarado e homossexual assumido, teria sido torturado e atropelado por garoto de programa.
Há quem acredite, porém, que se tratou de uma conspiração do governo italiano. Desde os anos 60 o país vivia anos de chumbo, caracterizado por crises econômicas, conflitos sociais, massacres terroristas realizados por grupos extremistas com o suposto envolvimento da inteligência dos Estados Unidos. Após a morte de Pasolini, esse período teve momento mais conturbado com o assassinato do líder democrata-cristão Aldo Moro, em 1978.

Nenhum comentário: