quarta-feira, 2 de novembro de 2016

em surdina

"Morte, morte.
Levamos toda a vida morrendo em surdina.
No trabalho, no amor, acordados, em sonho.
A vida é a vigilância da morte,
até que seu fogo veemente nos consuma
sem a consumir."

Cecília Meireles em Poesia Completa, edição de 1994

Nenhum comentário: