terça-feira, 4 de outubro de 2011

mais dos mesmos

 Edgard Navarro e Luiz Paulino dos Santos em "O homem que não dormia", de Navarro.

A premiação das principais categorias do 44º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro cai no óbvio ululante. Conservador, o juri deixou passar batido filmes ousados e desobedientes como "O homem que não dormia", de Edgard Navarro (apenas com o troféu de ator-coadjuvante, Ramon Vane), o literalmente pop, pela temática popular, "Vou rifar meu coração", de Ana Rieper, e um dos curtas mais corajosos que vi recentemente, "A casa da Vó Neyde", do paulista Caio Cavechini.

Fora o do Navarro, os outros dois não ganharam sequer uma menção. Até o público, através da votação nas urnas, deixou-se levar pelos bonitinhos televisivos na tela do cine Brasília e elegeu maciçamente os mesmos de sempre, quando se esperava que a acolhida calorosa na noite de exibição do filme de Ana Rieper o consagrasse como favorito.

2 comentários:

Cris disse...

É uma pena. Dois grandes filmes: "O homem que não dormia" e "Vou rifar meu coração", foram esquecidos pelo júri do Festival.

Nirton Venancio disse...

E o curta "a casa da Vó Neyde", sequer recebeu uma menção pela originalidade e coragem do documentário.