terça-feira, 12 de abril de 2011

migrante

 foto Arquivo Público DF

 Quando vim, se é que vim
de algum para outro lugar,
o mundo girava, alheio
à minha baça pessoa,
e no seu giro entrevi 
que não se vai nem se volta
de sítio algum a nenhum.

Quando vim da minha terra,
não vim, perdi-me no espaço, 
na ilusão de ter saído.

(trechos de "A ilusão do migrante", de Carlos Drummond de Andrade)

3 comentários:

Clara Angelica Porto disse...

o poeta popular luiz gonzaga aborda o tema em só deixo o meu cariri com tanta beleza qto drummond... é lindo... é lindo... é lindo.

Deborah Dornellas disse...

todos os lugares
todas as cidades
nenhum canto
desidentidade

Lúcia Menezes Menezes disse...

Adorei! *;)