sexta-feira, 26 de dezembro de 2014

colhendo os morangos

O ator Victor Sjöström, na pele de um culto e respeitado professor de medicina. A caminho de receber um prêmio pelos seus 50 anos de trabalho, vê-se aproximando da morte. No percurso, em sua simplicidade, reflete sobre sua vida, seus erros...

A fala no ótimo filme de Ingmar Bergman, "Morangos Silvestres" (Smulltronstället), 1958, remete à máxima do antigo sábio grego Sócrates, "tudo que sei é que nada sei", que por sua vez recorreu à inscrição no Oráculo de Delfos, "ó, homem, conhece-te a ti mesmo, e conhecerás os deuses e o universo", atribuída aos Sete Sábios, 650 anos a.C.

Ou seja, "é você olhar no espelho / se sentir um grandessíssimo idiota / saber que é humano, ridículo, limitado / que só usa dez por cento de sua cabeça, animal...", como tocava Raul.

O conhecimento não é monolítico, nem finito.

Nenhum comentário: