domingo, 7 de outubro de 2007

o dono da voz


Até quem sabe a voz do dono
Gostava do dono da voz
Casal igual a nós, de entrega e de abandono
De guerra e paz, contras e prós
Fizeram bodas de acetato - de fato
Assim como os nossos avós
O dono prensa a voz, a voz resulta um prato
Que gira para todos nós
O dono andava com outras doses
A voz era de um dono só
Deus deu ao dono os dentes
Deus deu ao dono as nozes
Às vozes Deus só deu seu dó
Porém a voz ficou cansada após
Cem anos fazendo a santa
Sonhou se desatar de tantos nós
Nas cordas de outra garganta
A louca escorregava nos lençóis
Chegou a sonhar amantes
E, rouca, regalar os seus bemóis
Em troca de alguns brilhantes
Enfim a voz firmou contrato
E foi morar com novo algoz
Queria se prensar, queria ser um prato
Girar e se esquecer, veloz
Foi revelada na assembléia - atéia
Aquela situação atroz
A voz foi infiel, trocando de traquéia
E o dono foi perdendo a voz
E o dono foi perdendo a linha que tinha
E foi perdendo a luz e além
E disse: minha voz, se vós não sereis minha
Vós não sereis de mais ninguém.


Em 1980, sucessivos desentendimentos com a gravadora Ariola fizeram Chico Buarque buscar outro selo, a Polygram. O compositor, no entanto, se viu meio encrencado no último dia de gravação de seu novo disco: a Ariola fora vendida exatamente para a nova gravadora de Chico. A confusão deu origem à bem-humorada canção "A voz do dono e o dono da voz", última faixa do lado A do lp "Almanaque", de 1982.

O bolachão é um dos melhores de Chico na década de 80. Ganhei de presente de minha irmã e não parava de ouvir. Tem lá "Vitrines", "Ela é dançarina", "O meu guri", "Tanto amar"... A criação da capa, contra-capa e encarte do disco, assinada por Elifas Andreato, já é uma obra-prima à parte: desenhos, ilustrações que remetem aos velhos almanaques em forma de livrinhos que tratavam de vários assuntos, como datas festivas, feriados, luas, eclipses, horóscopo, pensamentos, trechos de literatura, poesias, anedotas, charadas, palavras cruzadas, e coisas como datas certas para o plantio.

Indicações úteis ou não, foi na capa do lp que descobri, numa reprodução de calendário, que nasci no dia São Faustino, e que a representação do meu signo, Aquário, a de um jovem com uma ânfora, é a figura de Ganímedes, um príncipe de tal perfeição e beleza que mereceu a atenção dos imortais. Poxa! Era agrado demais.

4 comentários:

Li e Gui disse...

Uau... Qnts descobertas hen. rs.

Li e Gui disse...

Vim agradecer a visita, pelo link, (já linkamos vc tb!)e te convidar para um "porre de hopper" lá no blog, atualizado.
ABS!
Li

Di disse...

Ouvir as músicas dele é um prazer.

Minha irmã bem que podia me dar algum álbum dele também.

Aliás, o signo da minha irmã é aquário também.

Quantas coincidências boas na capa do lp.

Obrigada pelo link! :)

Jane Malaquias disse...

Nirton vc está em Brasília nesse momento?