terça-feira, 31 de maio de 2011

filmando o tempo

"As pessoas não sabem esperar. Querem avançar rapidamente, e a globalização, a internet só alimentam esse desejo. Talvez seja o fim de uma era."

A reflexão zen é da cineasta japonesa Naomi Wasake, que tem sua filmografia exibida em mostra retrospectiva no CCBB, Brasília, a partir de hoje, indo, lentamente, até o dia 12 de junho.

Os filmes de Naomi têm traços e influência do cinema de Yasujiro Ozu, o mestre que melhor filmou o cotidiano e o tempo que escorre na respiração das pessoas. 

Felizmente, trabalhos como de Wasake vão na contramão do "videoclipização" desta nova era, dando tempo ao tempo.

longe de mim

31 de maio foi escolhido como o Dia Mundial de Combate ao Fumo. Porque este dia e por quem não tenho a menor idéia. Não fumo, mas não faço nenhuma "Cruzada" contra fumantes. Só não fumem perto de mim. Mantenham a distância de alguns quilômetros. Todos os dias.

domingo, 29 de maio de 2011

no mais, estou indo embora...

"Bastou Zé Ramalho surgir no palco para que uma onda de euforia se espalhasse pelo ambiente. Os fãs o receberam com tamanho entusiasmo e reverência, que pareciam estar diante de uma entidade", diz o jornalista Irlam Rocha Lima no Correio Braziliense de hoje, em matéria sobre o show do bardo paraibano, no sábado passado.

O produtor cultural e proprietário do local, Luís Amorim, afirma que desde que começou a promover a Noite Cultural, há cinco anos, nunca havia visto uma resposta tão expressiva do público, superando apresentações de nomes como Erasmo Carlos, Alceu Valença, Zélia Duncan, Elba Ramalho, Moraes Moreira."O público interagiu com Zé Ramalho do começo ao fim do show, num clima de celebração."

admirável Zé Ramalho


Zé Ramalho diante uma multidão de 15 mil pessoas, sob o céu de Brasília, na Noite Cultural do T-Bone, 312 Norte, 26/5/2011,

Povo marcado, povo feliz.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

na Pedra de Turmalina

 foto Arquivo Pessoal
O moço aí da foto é José Ramalho Neto, quando ainda não era Zé Ramalho, aos 15 anos, trigais e juvenis, em João Pessoa, Paraíba. Na época era bandleader dos conjuntos (como se dizia) Os Quatro Loucos e The Gentlemen, tocando em bailes, fazendo covers dos Beatles, Renato e Seus Blues Caps, Roberto Carlos, Bob Dylan...

Admirável Zé Ramalho. Ele que mistura tão bem os ritmos de cantadores, rabequeiros e repentistas com os acordes do rock, que rebuscou a consciência nos lisérgicos anos setenta pisando num chão de giz com goles de chá de zabumba, que mescla em suas letras poéticas elementos da cultura nordestina com símbolos da mitologia grega, misticismo aquariano com devoção a Padim Ciço, ufologia com galope à beira-mar, história da humanidade com poeira da Pedra do Ingá, sertão paraibano que inspirou o clássico primeiro disco, "Paebiru", 1975.

Zé Ramalho, com sua voz única de opus visionário, estará hoje à noite em palco feito Pedra de Turmalina montado na calçada do T-Bone, na 312 Norte, em Brasília. Não é "entrada franca", porque a rua já é zona franca, o acesso é livre. 

Estarei lá, ouvindo e filmando. Avôhai, Zé!

quarta-feira, 25 de maio de 2011

longe deste insensato mundo

No elevador o vizinho entra e não dá bom dia. Na rua o carro vira à direita e não dá seta. Lá na frente o outro joga latinha de refrigerante pela janela. E a manchete do jornal diz que ruralistas vencem e aprovam novo código florestal. 

Há dias em que mundo não tem mais jeito.

terça-feira, 24 de maio de 2011

how many...

foto Pumpkin

"How many years can a mountain exist, before it's washed to the sea?... 
The answer, my friend, is blowin' in the wind."

Bob Dylan, 70 anos hoje

folhinha

Folhinha.
Hoje é Dia da Infantaria, do Telegrafista, do Vestibulando, do Cigano, do Café...
Era um dos meus "rituais cotidianos" quando criança.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

domingo, 22 de maio de 2011

única

 foto Magnus Filmes
"Bem que quiseram transformá-la em Jeanne Moreau brasileira. Bobagem. Odete Lara é única. Sem comparações. Um mistério que nunca foi desvendado. Uma explosão de femilidade no cinema, um olhar penetrante e uma voz inesquecível. Essa voz, por sinal, garantiu a melhor gravação dos afro-sambas de Baden e Vinicius. A história de Odete Lara sempre vai se confundir com a histórias das artes no Brasil. Pensando bem, Jeanne Moreau é que é a Odete Lara francesa." 

Jornalista Artur Xexéo, no catálogo da mostra de filmes "Odete Lara, atriz de cinema", no CCBB, Brasília.

Na foto,  cena de "Bonitinha, mas ordinária", de J. P. Carvalho, 1963

sábado, 21 de maio de 2011

faltou Serge

 foto Onde World Films

Frustrante o show do guitarrista Edgard Scandurra e sua banda Les Provocateurs em homenagem a um dos meus ídolos, o músico francês Serge Gainsbourg no Teatro da Caixa em Brasília, ontem.

Visivelmente sem direção, a apresentação perdia-se entre as músicas, com "os provocadores" sem química entre si, sem empatia com o público. À exceção do ótimo intérprete Christophe Hidalgo e da voz suave de Bárbara Eugênia vestida em modelito sessentista, e dos solos eletrizantes do ex-Ira, o show pareceu um primeiro ensaio, uma passagem de som. 

A "participação especial" de Fausto Fawcett, falando os versos de Gainsbourg, misturando sotaque francês com suingue carioca, dispensável. A projeção, antes do show, de trechos de filmes e entrevistas com o homenageado, não precisava se alongar tanto. 

Faltou um roteiro, faltou um diretor. Faltou Serge Gainsbourg.

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Lars von Hitler

foto François Guillot/AFP
O dinamarquês Lars von Trier não é exatamente um dos meus cineastas preferidos, apesar de gostar de "O anticristo", "Dogville", "Dançando no escuro", "Os idiotas", "Ondas do destino"... Agora com sua declaração de simpatia à Hitler, e afirmando "ok, eu sou nazista", perco o interesse pelo seu cinema, pelo menos momentaneamente, no calor do espanto e decepção.

A manifestação de apreço se deu ontem em entrevista coletiva sobre seu novo filme, "Melancolia", concorrente no Festival de Cannes. "Descobri que eu era nazista porque minha família era alemã, e isso me deu um certo prazer", "eu entendo Hitler, ele não era o que se chamaria de um cara legal, mas sinto um pouco de empatia com ele, sim", e outros absurdos deixaram os jornalistas atônitos.

Depois do estrago, divulgou comunicado se desculpando, dizendo que não é antissemita. Se as declarações polêmicas foram uma jogada de "marketing", foi uma atitude no mínimo idiota, burra. Não se subestima as dores de milhares de pessoas com brincadeiras.

terça-feira, 17 de maio de 2011

mãe e filha do cinema

 foto Iluminura Filmes
Cena do novo filme do cineasta cearense Petrus Cariry, "Mãe e filha", que será lançado no Festival CineCeará, em junho. Petrus não faz "filmes", faz Cinema. Seu pacto é com o Cinema. Ele não faz concessões, nem comerciais, nem com celebridades. 

Seu primeiro longa, "O grão" é uma obra-prima, está na minha lista dos melhores filmes do cinema contemporâneo.

80 anos de Limite

 Filmagens de "Limite", 1930 

No dia 17 de maio de 1931 foi projetado pela primeira vez o primeiro e único filme de Mário Peixoto, "Limite", no Cinema Capitólio, em sessão organizada pelo Chaplin Club, um cineclube criado por cinéfilos no Rio Janeiro. O que seria apenas uma exibição de um filme esquisito dirigido por um cineasta de poucas palavras, ganhou notoriedade, provocou debates, estimulou estudos sobre a novata sétima arte, influenciou cineastas pelo mundo. É um marco no cinema brasileiro. Nunca teve uma distribuição comercial. Ao longo dos anos, foi exibido em mostras, aberturas de festivais, e há pouco tempo lançado em dvd.

Em 2008, o cineasta Martin Scorsese, um estusiasta da obra brasileira, promoveu através de sua ONG World Cinema Foundation, a restauração da película, com belíssima cópia em 35mm.

"Limite" é o que se chama de cinema puro. Está no mesmo nível de "O encouraçado Potemkin", de Ensenstein, e outros filmes seminais. Os enquadramentos, os movimentos de câmera, a fotografia preto-em-branco, a montagem,  os conflitos e a dissecação da alma dos personagens... O cinema comprometido com uma arte que nascia.

Para celebrar a marcante data de hoje, a Cinemateca Brasileira em São Paulo exibe a cópia restaurada em digital de alta definição. É muito compensador ver que um filme rodado em condições dificéis, em bruta película, atravessou o tempo e chegou à era digital. E continuará, sem limites.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

felicidade garantida

"Quando penso em todos os livros que me falta ler, tenho certeza de ser feliz." 
 Jules Rénard, escritor francês

sexta-feira, 13 de maio de 2011

cada qual no seu lugar


-  Papai, o que é Imperador?
- É um soberano, que rege um país. Hoje só o Japão tem Imperador.
- Pensei que fosse uma pessoa que só fica sentada numa cadeira... 

Minha filha de sete anos, refletindo e colocando as coisas em seus "devidos lugares"...

quarta-feira, 11 de maio de 2011

nova desordem mundial

"Após a morte de Osama, qual vai ser a próxima história? A verdade é que as histórias são sempre construídas por aqueles que têm o poder. Talvez a noção de que o poder americano está em decadência seja a nova fantasia simplista da nossa era." 

Adam Curtis, autor da lúcida observação, é escritor e cineasta britânico. Dos anos 80 pra cá dirigiu vinte documentários, sempre abordando questões do mundo atual, expressando suas opiniões de forma clara, controversa, incômoda.

domingo, 8 de maio de 2011

sexta-feira, 6 de maio de 2011

sonzinho chatinho de barzinho

Tem coisa mais chata do que barzinho com música ao vivo, aquele violão acústico estridente, e o cara lá cantando "você deságua em mim e eu oceano"?

quinta-feira, 5 de maio de 2011

"I want you"

O cowboy John Wayne eliminando a última nação indígena; o 'reaça' Charlton Heston exibindo sua coleção de rifles; o robótico Schwarzenegger exterminando o futuro e prometendo voltar; o demente Rambo com sua metralhadora giratória no Terceiro Mundo; Charles Bronson, Steve Segal, Bruce Willis e outros avatares do velho Oeste atirando primeiro e perguntando depois - quando perguntam. 

Ícones de uma América conspiradora, invasora, dominadora, bélica, prepotente, arrogante. 

Augusta, Angélica, Consolação...

Augusta, graças a Deus, entre você e a Angélica, eu encontrei a Consolação, que veio olhar por mim e me deu a mão...

segunda-feira, 2 de maio de 2011

ele não usava black-tie


Leio agora sobre a morte do diretor de teatro José Renato Pécora, aos 85 anos. Uma pena. Ele foi o idealizador e fundador do Teatro de Arena de São Paulo, em 1953, responsável pela montagem de "Eles não usam black-tie". Pode-se dizer que Zé Renato introduziu o naturalismo no teatro brasileiro.

Ano passado ele voltou aos palcos como ator na peça "12 homens e uma sentença", ótimo texto criado para um teleteatro da CBS americana, drama que ganhou projeção graças à adaptação para o cinema sob a direção de Sidney Lumet, em 1957. Coisas do destino: Lumet faleceu no começo do mês passado.

nas águas fundas do mar?

Cadê o corpo do Osama, Obama?

Obama pega Osama


Barack Obama anuncia oficialmente a morte de Osama bin Laden: 

Já começou a campanha eleitoral de 2012 nos EUA!

domingo, 1 de maio de 2011

operário em construção

A data de 1º de maio para homenagear o trabalhor foi escolhida durante uma reunião de Internacional Socialista, em Paris, no longíquo 1889, com objetivo de lembrar as lutas sindicais de Chicago, com protestos ocorridos três anos antes. 

A semente foi plantada curiosamente no paraíso do capitalismo, quando realizou-se uma manifestação de trabalhadores nas ruas com a finalidade de reivindicar a redução da jornada de trabalho para 8 horas diárias. 

Mas os americanos comemoram a data na primeira segunda-feira de setembro.